Portal das Comunidades Portuguesas

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Zimbabué

 

Última atualização: 2015-02-14

 Nota importante

As presentes informações não têm natureza vinculativa, funcionam apenas como indicações e conselhos, e são suscetíveis de alteração a qualquer momento. Nem o Estado Português, nem as representações diplomáticas e consulares, poderão ser responsabilizadas pelos danos ou prejuízos em pessoas e/ou bens daí advenientes.

Avisos

1. Aconselha-se aos visitantes e residentes a evitar ajuntamentos ou multidões, devendo assumir uma atitude de apertada vigilância nos dias próximos das eleições e seguintes.
2. Devem, igualmente, evitar usar as cores dos partidos (laranja, azul, vermelho/negro/verde e amarelo).
3. Reforçar as medidas de segurança nas suas casas, verificando alarmes e trancas, para além de garantir reservas de água e comida para o período em causa.
4. Quando circularem de carro, devem trancar as portas dos mesmos.

Informação Geral

O Zimbabué vem atravessando desde alguns anos uma grave crise política, económica e social que originou o colapso dos serviços públicos, a quase paralisia do aparelho produtivo e o descontrolo da economia.

Clima

Estação seca: Abril-Outubro (melhor altura para visitar). Estação das Chuvas: Novembro-Março.

O Inverno (Abril-Setembro) pode ser frio, em especial à noite, mas raramente registando temperaturas negativas e apenas nas zonas montanhosas (Vumba e Nyanga).

Língua

Inglês, shona e ndebele e outras.

Moeda local / sistema bancário

O sistema é "multidivisas". Saliente-se que devido a colapso da moeda local, foi aprovada a utilização de moeda estrangeira pelas autoridades do Zimbabwe desde Fevereiro de 2009 (dólar americano e rand sul-africano e pula do Botsuana) pelo que a moeda local não é já utilizada nem aceite em transações.

Os visitantes deverão trazer consigo papel-moeda (de preferência dólares americanos ou rands). A utilização de cartões de crédito é totalmente desaconselhada dados os riscos da taxa de câmbio utilizada pelos comerciantes ter como consequências o pagamento posterior de quantias muito elevadas por qualquer transação.

É possível fazer levantamentos bancários nas poucas caixas Multibanco disponíveis no centro da capital.

Regime de entrada e estada

Regime de vistos

É exigido visto de entrada, que pode ser adquirido nas fronteiras do país. O custo atual é de US$30.

Aos visitantes, na qualidade de jornalistas, que não tenham obtido acreditação prévia junto do Ministério da Informação do Zimbabué, não será permitida a entrada no país.

 

Condições de segurança

Aconselha-se especial cautela e vigilância aos viajantes, que devem evitar deslocar-se aos bairros periféricos densamente povoados da capital, juntar-se a agrupamentos de pessoas e frequentar bares e discotecas.

Atendendo às degradadas condições das estradas e à sua perigosidade, os passeios noturnos são totalmente desaconselhados, pois representam um grande risco.

No caso de deslocação para áreas de safari, os viajantes deverão cumprir escrupulosamente todas as regras de segurança e circular apenas no perímetro que os responsáveis tiverem definido e nas condições que tiverem estipulado.

Fora das cidades, existem barreiras policiais frequentes nas estradas, as quais exigem a apresentação de documentos, podendo ser revistados automóveis e respetivos passageiros, e podendo haver lugar a detenções, mesmo sem motivos aparentemente válidos.

O consumo, posse e tráfico de estupefacientes é ilegal e severamente penalizado. A pena de morte é aplicada para o crime de homicídio e de alta traição. A homossexualidade é proibida por lei. Refira-se que as condições das prisões são extremamente precárias, de todos os pontos de vista (sobrelotação, carência de medidas de higiene e sanitárias, alimentação deficiente).

Os originais dos documentos de identificação e viagem deverão ser guardados em local seguro, como por exemplo o cofre do hotel, recomendando-se aos viajantes que circulem apenas com cópias daqueles documentos.

Números de telefone

- Emergência: (00263) 4999;
- Polícia: (00263) 4995;
- Medical Aid Rescue Services: (00263) 4734513.

Transportes

O sistema de transportes públicos é, em geral, desaconselhado. Deverá utilizar-se o avião ou transporte privado. Haverá que ter em conta que é difícil conseguir combustível, em especial fora dos centros urbanos.

Transporte aéreo

Existem aeroportos internacionais na capital Harare, Bulawayo e Victoria Falls.

Cuidados de saúde

A rede sanitária é má em todo o país.

Em Harare ainda se encontram algumas clínicas privadas com bons profissionais existindo contudo uma total carência de especialistas em todas as áreas e sendo o custo das mesmas muito elevado – havendo necessidade de pré-pagamento de avultadas quantias em dólares americanos antes da admissão de qualquer doente, mesmo em situação de emergência médica. Neste sentido aconselha-se aos viajantes a obtenção de um seguro de saúde que cubra custos de evacuação e transporte aéreo para a África do Sul, para onde deverão dirigir-se face a qualquer problema de saúde mais complicado.

Aconselha-se aos viajantes que se façam acompanhar de um "kit" médico simples, em especial se pensarem deslocar-se a áreas de safari.

Doenças endémicas: cólera, malária, meningite (grupo A e B).O vírus da SIDA afeta uma percentagem significativa da população, com maior incidência no grupo das mulheres.

Telecomunicações

Indicativo do país: 00263.

As telecomunicações são más. A rede de telemóvel cobre apenas, e de forma deficiente, algumas partes do território.

Informações úteis

Embaixada de Portugal em Harare
- Endereço: 5 Wadham Lane, Borrowdale, Harare;
- Telefone: (00 263) 4851885;
- Fax: (00 263) 4853051;
- Correio eletrónico: mail@harare.dgaccp.pt

Endereços das representações estrangeiras (diplomáticas e consulares) em Portugal: http://www.mne.gov.pt/mne/pt/ministerio/CorpoDiplomatico/

Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail